18 de out de 2011

SUGESTÃO DE PASSEIO: PARANAPIACABA


Localizado no município de Santo André, o distrito de Paranapiacaba é um dos principais pontos de turismo ecológico da Grande São Paulo. De origem indígena, a palavra Paranapiacaba significa “de onde se avista o mar”. De fato, é realmente possível ver o mar de um dos pontos mais altos do distrito.
Construída para servir de residência e centro operacional dos funcionários da antiga companhia de transporte ferroviário São Paulo Railway, Paranapiacaba possui dezenas de prédios construídos em estilo inglês. A arquitetura é realmente chamativa e atraente. O Festival de Inverno de Paranapiacaba atrai todos os anos milhares de turistas para essa vila de Santo André. O Festival ocorre sempre nos meses de julho, quando a neblina e a garoa são constantes. Mas não é preciso esperar julho chegar para curtir Paranapiacaba. O distrito oferece atrações o ano todo. Uma das mais procuradas é justamente a área verde do entorno. As trilhas levam a cachoeiras, montanhas e grandes e selvagens trechos de Mata Atlântica. As caminhadas levam, no mínimo, duas horas e só podem ser feitas com o auxílio de guias locais. No mês de abril é realizado o delicioso Festival do Cambuci. 

Dicas: Não deixe de levar protetor solar e repelente de insetos, eles são muito úteis. Não esqueça também da câmera fotográfica. No inverno, vá bem agasalhado e não esqueça o guarda-chuva. Tome cuidado com a neblina, comum até no verão. Para chegar, basta pegar o trem até Rio Grande da Serra e embarcar no ônibus para Paranapiacaba. De automóvel, basta pegar a rodovia Índio Tibiriça na altura do Riacho Grande (em S. B. do Campo), seguir até o quilômetro 45,5 e pegar a SP-122 até Paranapiacaba.

30 de set de 2011

SUGESTÃO DE PASSEIO: MERCADO MUNICIPAL


Considerado um dos mais importantes cartões-postais de São Paulo, o Mercado Municipal (ou Mercado da Cantareira) foi projetado em 1924 pelo escritório do arquiteto Francisco Ramos de Azevedo e construído entre os anos de 1928 e 1933. Possui12.600 m2 de área construída e 1.600 funcionários que movimentam 350 toneladas de alimentos por dia em 291 boxes. No total, ele é visitado diariamente por 14 mil pessoas.
Algumas bancas funcionam desde a inauguração do mercado. É o caso da banca do Seu Quincas, cujo proprietário (e filho do fundador) trabalha lá há mais de 50 anos. O Empório Chiapetta existe desde 1908, mas foi transferido para o mercado na época da sua fundação.
Os boxes de frutas somam 120. O mais conhecido é a Barraca do Juca, que serviu de cenário para a novela A Próxima Vítima, da Rede Globo. Um verdadeiro feirão de frutas exóticas, é assim que muitos consideram os boxes. E não é para menos. A quantidade de frutas exóticas ou difíceis de serem encontradas nas feiras populares impressiona. Mangostin, pitaya, mamey, atemóia, granadilha, physalis, blueberry, framboesa, jambo são apenas algumas das delícias que o visitante podem ter a oportunidade de degustar.
Depois de um processo de restauração e readequação ocorrido em 2003, o mercado ganhou um mezanino com bares e lanchonetes. O mezanino oferece comida árabe, japonesa e brasileira. A maioria dos visitantes, no entanto, procura o pastel de bacalhau e o famoso pão com mortadela do tradicional Hocca Bar.
O único problema do mezanino é a quantidade de gente (e, se quer saber, é muita gente mesmo!). O visitante precisa de paciência para pedir um pastel de bacalhau e para encontrar uma mesa para sentar. O pior dia é o sábado, quando o Mercado e as ruas de comércio próximas recebem uma quantidade maior de turistas.

Dicas: vá num domingo, quando o movimento é menor. Se preferir os demais dias da semana, visite a famosa rua 25 de Março e outros endereços comerciais próximos. Tome cuidado com carteira e objetos como celulares e câmeras fotográficas. Para saber mais sobre a 25 de Março e sobre as ruas de comércio das imediações, clique aqui e ara saber mais sobre a 25 de Março e sobre as ruas de comércio das imediações, clique aqui. Para acessar o site do Mercadão, clique aqui.

Endereço: Rua da Cantareira, 306 – Centro - SP

13 de set de 2011

SUGESTÃO DE PASSEIO: ZOOLÓGICO DE SÃO PAULO


O zoológico de São Paulo é apenas “parte” de uma reserva de Mata Atlântica chamada Parque do Estado. A reserva abriga diversas instituições abertas ao público como o Observatório de São Paulo, o Instituto Geológico, o Jardim Botânico, o Zôo Safári e a Fundação Parque Zoológico de São Paulo.
Localizado na Água Funda (região da Saúde/Jabaquara) e próximo de bairros como Ipiranga e de cidades como Diadema e São Bernardo do Campo, o zoológico paulistano é o quarto maior do mundo. Abriga 3.200 animais de 102 espécies de mamíferos, 216 espécies de aves, 96 de répteis, 15 de anfíbios e 16 de invertebrados.
É um dos melhores locais para passear com as crianças em São Paulo. Não sem motivos. O zoológico oferece uma excelente infra-estrutura, como estacionamentos, lanchonetes, playground e fraldários. Os visitantes podem contar também com as antigas jardineiras, que fazem passeio por toda a área do parque.
O zoológico recebe caravanas de turistas e excursões de estudantes de todo o estado de São Paulo e até de outros estados da Federação. Um dos passeios programados mais procurados são as visitas noturnas, feitas apenas com agendamento.
Interessante é que o zoológico não é apenas um “programão” para as crianças; também o é para os adultos. Além da rica diversidade de animais, o parque possui um belíssimo lago (parte da nascente do rio Ipiranga) e uma grande variedade de plantas. É um ótimo local para passeios ao ar livre.
Não deixe de levar a câmera fotográfica.

Dicas: se possível, leve lanche de casa. O passeio é demorado e, por isso, não é possível visitar as outras atrações do Parque do Estado no mesmo dia. Mas, quando possível, não deixe de visitar o Jardim Botânico e o fascinante Zôo Safári.

Endereço: Avenida Miguel Stéfano, 4241 - Água Funda - SP – Tel.: (11) 5073-0811

18 de ago de 2011

SUGESTÃO DE PASSEIO: PINACOTECA DO ESTADO


Fundado em 1905, a Pinacoteca é o mais antigo museu de arte de São Paulo. O edifício foi projetado pelo arquiteto Ramos de Azevedo há mais de cem anos.
A Pinacoteca possuiu o mais rico acervo de arte brasileira, com cerca de oito mil obras – do século XIX ao XX. Ela abriga também um importante conjunto de obras européias.
Está certo que ela não chega nem aos pés de instituições como o Museu do Louvre, de Paris; a National Gallery, de Londres; e o Hermitage, de São Petersburgo. Mas também está longe, muito longe de ser uma instituição menor. O rico acervo conta com obras dos mais consagrados artistas brasileiros dos últimos dois séculos: Almeida Jr., Anita Malfatti, Benedito Calixto, Cândido Portinari, Di Cavalcanti, Tarsila do Amaral, Tomie Ohtake e Victor Meirelles, entre outros. O artista estrangeiro cujo nome acabou fortemente ligado a Pinacoteca é o francês Auguste Rodin.
É difícil dizer o que é mais atraente: as exposições permanentes ou as temporárias. Isso por que a Pinacoteca já abrigou algumas das mais comentadas exposições de artistas estrangeiros no Brasil: Henri Matisse, Albert Eckhout, Auguste Rodin e Henry Moore, só para citar alguns. A exposição de Rodin foi uma das mais visitadas da história dos museus brasileiros.
Em relação ao acervo permanente, chama a atenção os quadros de Cândido Portinari e Almeida Jr., justamente por que são facilmente reconhecíveis. Juramos já tê-los visto em algum lugar. Destaque para os quadros A Leitura, Caipira Picando Fumo e O Importuno, todos de Almeida Jr.
A instituição Pinacoteca do Estado abriga mais de um prédio (como o Estação Pinacoteca), além de diversas coleções, mas esse assunto nós trataremos em outro post. O que a torna ainda mais atraente é sua localização, ao lado de importantes instituições como o Museu de Arte Sacra e o Museu da Língua Portuguesa.

Dicas: O melhor dia para visitar a Pinacoteca é o sábado, quando o ingresso é gratuito. Se não houver nenhuma exposição temporária, o movimento também é menor. Aproveite para conhecer o maravilhoso jardim de esculturas no Parque da Luz e para relaxar nas mesas ao ar livre do café da Pinacoteca. Se tiver tempo, visite também o Museu da Língua Portuguesa.

Endereço: Praça da Luz, 2 - Luz - Tel.: (11) 3324-1000

5 de ago de 2011

SUGESTÃO DE PASSEIO: EDIFÍCIO ALTINO ARANTES


Conhecido como Edifício do Banespa (ou Banespão), o edifício Altino Arantes é um dos principais pontos de atração turística do Centro de São Paulo.
Inaugurado em 1947, o edifício recebeu esse nome em homenagem ao ex-governador de São Paulo Altino Arantes (1876-1065). Foi durante muito tempo o prédio mais alto da capital paulista. Sua arquitetura é inspirada no novaiorquino Empire State Building.
O maior destaque do edifído é o mirante, situado no seu 34º andar. De lá, pode-se ter uma vista em 360º da cidade de São Paulo. Para visitá-lo, basta se indentificar na recepção e aguardar os guias que o conduziram até o topo. O únicos problemas são a quantidade de turistas (o que, às vezes, torna a fila longa e demorada) e o tempo destinado à visitação. Acredite se quiser, mas os visitantes não podem demorar mais do que cinco minutos no mirante.
É possível ver a Serra do Mar, a Serra da Cantareira, o Pico do Jaraguá, as antenas e edifícios da avenida Paulista, assim como boa parte das zonas Leste e Norte da cidade.
O prédio também abriga o Museu Banespa que, embora pequeno, merece uma visita.

Dicas: Cuidado com o horário de visitação – até às 15h00. Aproveite e visita também o vizinho Edifício Martinelli (veja o post a respeito). Se puder, vá ao Mosteiro de São Bento, rua 25 de Março. Pátio do Colégio e Catedral da Sé, entre outras atrações do Centro.

Endereço: R. João Brícola, 24 - Centro - Tel.: (11) 3249-7466.

13 de jul de 2011

SUGESTÃO DE PASSEIO: CATAVENTO


Existem inúmeras opções de lazer para as férias da garotada paulistana: zoológico, Parque do Ibirapuera, Playcenter, Museu do Ipiranga, Instituto Butantã, Museu da Língua Portuguesa e Catavento. Uma das opções mais atraentes é o Catavento, cujo “nome oficial” é Catavento Espaço Cultural da Ciência.
Localizado no Palácio das Indústrias, antiga sede da Prefeitura de São Paulo no Parque Dom Pedro II, o Catavento é um espaço lúdico dedicado ao conhecimento e à ciência.
As experiências e brincadeiras em física, astronomia, biologia, história, sociologia e outros ramos do conhecimento prometem ao jovem (ou adulto, afinal os marmanjos também adoram esse tipo de coisa) não só diversão, mas uma boa dose de conhecimento.
O Catavento oferece diversas atrações interativas nos seus oito mil metros quadrados. Os visitantes podem brincar com espelhos, balanças, lunetas e outras geringonças. Na área Universo, é possível conhecer as constelações avistadas no hemisférios sul deitado em deliciosos pufes. Na dedicada à biologia – o salão Vida -, pode-se identificar o som dos pássaros típicos do Brasil com a ajuda de monitores e fones de ouvido. Isso tudo sem contar o avião e os trens verdadeiros na área externa do espaço cultural.
O ingresso é barato (em torno de R$ 6,00) e dá direito a todas as áreas do museu. Quando mais cedo você chegar, tanto melhor – principalmente se levarmos em conta que as atrações começam “a fechar” às 16h30.
A melhor época para visitar o Catavento é justamente os meses de férias, quando o movimento é menor.
Os visitantes ficam à vontade mas, se desejarem, pode contar com a ajuda de monitores que explicam o porquê de cada uma das atrações.

Dicas: esqueça que já passou dos 18 e divirta-se. Se possível, leve uma câmera fotográfica ou filmadora. E se tiver tempo, faça um lanche no Mercado da Cantareira, que fica ali pertinho.

Endereço: Palácio das Indústrias - Parque Dom Pedro II, s/n, Centro – Tel. (11) 3315-0051

27 de jun de 2011

SUGESTÃO DE PASSEIO: INSTITUTO BUTANTÃ


Com a inauguração da estação Butantã da Linha 4 – Amarela do metrô, o Instituto Butantã ficou mais acessível. Apenas 10 minutos de caminhada separam a estação ao instituto. Caminhada que vale a pena. O Butantã não é somente uma instituição voltada para a pesquisa de venenos, vacinas e microbiologia, é uma instituição museológica. Os visitantes podem conhecer o Museu Histórico, o Museu Biológico e o Museu de Microbiologia. Um dos mais interessantes é o Museu Biológico - na verdade, uma espécie de “mini-zôo ofídico”. Turistas e paulistanos tem a oportunidade de conhecer diversas espécies de serpentes, a grande maioria originária do Brasil, em uma exposição permanente. Os adultos adoram e as crianças enlouquecem. É difícil conter o deslumbramento da meninada diante das sucuris, cascaveis e jararacas em exposição. Outro museu que vale a visita é o pequeno Museu de Microbiologia. Inaugurado em 2002, ele é uma verdadeira aula sobre bactérias, vírus e doenças como malária, dengue, doença de Chagas e Aids. Quanto ao Museu Histórico, ele é interessante para quem pretende conhecer a própria história da instituição criada por Vital Brazil. Mas as atrações do Butantã não terminam aí.
O Instituto Butantã está situado em uma rica e bela área verde ligada a Cidade Universitária, o que faz dele um ótimo lugar para bater perna ou simplesmente ficar ao ar livre. É difícil de acreditar que São Paulo, uma imensa selva de pedra, abrigue áreas onde se pode apreciar o canto dos pássaros, sentir o vento, tomar sol na cara, andar despreocupadamente como o parque do Butantã.
A entrada do parque é gratuita. O ingresso que dá direito aos museus custa R$ 6,00, com desconto para crianças e estudantes.

Dicas: aproveite para conhecer a nova Linha 4 – Amarela do metrô. As estações e trens são os mais modernos do país. Se tiver tempo, pegue o metrô até a Consolação e aproveite para dar uma voltas na avenida Paulista. Com suas feirinhas e sua extensa programação cultural de final de semana, a Paulista é uma excelente opção de lazer.

Endereço: Av. Vital Brazil, 1500 – Butantã – Tel. (11) 3726.7222.

9 de jun de 2011

SUGESTÃO DE PASSEIO: CEMITÉRIO DA CONSOLAÇÃO


Inaugurado em 1958, é o mais antigo cemitério de São Paulo. Sua localização é privilegiada, a meio caminho do Centro e da avenida Paulista. Tem como vizinhos os cemitérios do Araçá, dos Protestantes e do Sacramento. Fica a poucos metros da FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado), da Universidade Mackenzie, da avenida Angélica, Shopping Pátio Higienópolis e Estádio do Pacaembu.
POR QUE É INTERESSANTE: Possuiu um dos mais ricos acervos de arte tumular do país. Um dos mais belos túmulos é o da família Jafet, a poucos metros da administração. Abriga o maior túmulo da América Latina, pertencente a tradicional família Matarazzo. O número de personalidades sepultadas também é grande. O Consolação é um dos poucos cemitérios com guia turístico e folhetos com a história e localização de obras de arte e túmulos de famosos.
PERSONALIDADES SEPULTADAS: Monteiro Lobato, Mário de Andrade, Tarsila do Amaral, Armando Bogus, Rubens de Falco, Oswald de Andrade, Washington Luis, Marquesa de Santos, Victor Brecheret, Ramos de Azevedo, Guiomar Novaes, Campos Sales e outros.
SANTOS DO POVO: Antoninho da Rocha Marmo (garoto que morreu de tuberculose aos 12 anos e que até hoje é considerado milagreiro pelo povo) e Maria Judith de Barros.
ARTE TUMULAR: Possui esculturas de artistas consagrados como Amedeo Zani, Rodolfo Bernardelli, Nicola Rollo, Galileu Emendabili, Luigi Brizzolara, Bruno Giorgi e o conhecidíssimo Victor Brecheret.

Dicas: o cemitério da Consolação fica a poucos metros de dois outros cemitérios interessantes, o do Araçá e o do Redentor (ou Cemitério dos Protestantes). Se puder, visite-os no mesmo dia. Observe os constrastes entre os três cemitérios. Além do mais, você terá uma verdadeira aula de história. Veja também o post TURISMO EM CEMITÉRIOS, de onde esse texto foi extraído.

Endereço: Rua da Consolação, 1.660 – Tel.: (11) 3256-5919, 0800-109850 (agendamento de visitas monitoradas)

20 de mai de 2011

SUGESTÃO DE PASSEIO: PICO DO JARAGUÁ


Não sugiro apenas o Pico do Jaraguá, mas o Parque do Jaraguá, do qual o Pico faz parte. Com 492 hectares, o Parque Estadual do Jaraguá é um dos mais antigos parques da cidade de São Paulo. Foi fundado em 1961 sob a jurisdição da Secretária de Turismo e Secretaria do Meio Ambiente. O Parque foi tombado como Patrimônio da Humanidade pela Organização das Nações para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) e é considerado um dos maiores patrimônios naturais de São Paulo.
Em tupi, Jaraguá significa “senhor dos vales”, o que dá uma idéia da sua imensidão/tamanho.
Localizado na Zona Norte da cidade, o parque é uma bem preservada reserva de Mata Atlântica. Os turistas podem topar com diversos animais, inclusive cobras, saguis e macacos-pregos. A variedade de borboletas é impressionante.
A trilha mais indicada para os visitantes é a Trilha do Pai Zé. Ela dá uma idéia de como é uma floresta de Mata Atlântica e - o que é de tirar o fôlego -, de como é ver São Paulo do alto. Quando chegam no Pico, com seus 1.135 metros de altitude, os visitantes podem admirar uma bela e imperdível vista panorâmica de São Paulo e de algumas cidades vizinhas como Osasco e Barueri.
O Pico é um dos melhores locais para fazer piquenique na cidade. Algumas famílias orientais levam cestas com sushis e algumas tipicamente brasileiras, churrasqueiras para assar um espetinho. Mas os visitantes não levam comida apenas por que querem, mas por que as opções de alimentação são escassas e um pouco caras.
Outra coisa que não pode ser esquecida: a câmera fotográfica.

Dicas: não deixe de visitar outros parques da região metropolitana como o Parque Estadual da Serra do Mar e Parque Estadual da Cantareira. Procure também conhecer Paranapiacava, em Santo André, um dos melhores locais para caminhadas e para ter um contato direto com a natureza.

Acesso pelo Km 18 da Via Anhanguera. Tels: 3941-2162 e 3943-5222.

28 de abr de 2011

SUGESTÃO DE PASSEIO: PÁTIO DO COLÉGIO


O Pátio do Colégio é uma ilha de tranquilidade no tempestuoso mar de concreto paulistano. Pronto, não preciso dizer mais nada a respeito. Ou preciso?
A verdade é que, além da bela arquitetura colonial, o Pátio do Colégio, oferece diversas atrações para os visitantes de fora ou da própria cidade de São Paulo. Uma dessas atrações é o pequeno (mas interessante) Museu de Arte Sacra. Outra atração importante é a própria igreja do Pátio, de inspiração colonial, onde é possível conhecer o legado do padre José de Anchieta (considerado o fundador de São Paulo por muito). Ao menos uma vez por mês, ocorrem aprensentações de grupos de música erudita (veja o link abaixo para acessar a programação). Sempre no terceiro domingo do mês ocorrem atividades culturais voltadas para jovens e crianças.
Uma das curiosidades do Pátio do Colégio é o muro de taipa da construção original. Protegido e preservado por vidros, o muro é remanescente do colégio dos jesuítas (melhor explicando: de uma das primeiras construções da antiga vila de São Paulo). Outra curiosidade é o fêmur de José de Anchieta, exposto para o público na igreja do Pátio.
Embora pequeno, o jardim interno, com sua fonte e estátuas, explica por que eu me referi ao Pátio com um oásis de tranquilidade na cidade de São Paulo.
Se possível, não deixe de ver a maquete da cidade antiga. Você terá uma idéia de como era a velha São Paulo (e se perguntará como aquela vila pacata se transformou numa megalópole gigantesca).

Dicas: O Pátio do Colégio está a poucos metros da Praça da Sé, rua 25 de Março, Bairro da Liberdade, Vale do Anhangabaú, Largo de São Bento, Centro Cultural do Banco do Brasil e Teatro Municipal. É só consultar o mapa e escolher a próxima parada.

Endereço: Pça. Pátio do Colégio, 84 – Centro – Tel. (11) 239 5722

Site: http://www.pateodocollegio.com.br/newsite/

23 de mar de 2011

SUGESTÃO DE PASSEIO: MUSEU DA LÍNGUA PORTUGUESA


Imagine um lugar em que você pode conhecer não só as origens da língua portuguesa, mas as origens das palavras. Imagine um lugar totalmente moderno, interativo, lúdico e, ao mesmo tempo, curioso. Pois esse lugar existe e se chama Museu da Língua Portuguesa.
Instalado na Estação da Luz, o Museu da Língua Portuguesa é um dos pontos de visitação turística mais procurados da cidade de São Paulo.
Uma das alas preferidas dos visitantes é a Beco das Palavras. Lá, é possível “brincar” com radicais, sufixos, prefixos e formar palavras com a ajuda da mais alta e surpreendente tecnologia. Outra ala bastante procurada é a Mapa dos Falares. Graças a ela, os visitantes podem conhecer os diversos sotaques do português falado no Brasil. Na Lanterna das Influências, é possível conhecer as origens e o significado das palavras utilizadas no dia-a-dia. É uma das alas mais interessantes. Nem todos sabem, mas usamos milhares de palavras de origem inglesa, francesa, latina e até árabe. Utilizamos também palavras japonesas e até chinesas. Só por isso, vale a pena visitar o Museu da Língua Portuguesa.
Além das alas acima citadas, o museu conta com auditório e um salão de exposições. O salão abriga exposições temporárias sobre literatura e gênios da língua falada no Brasil, Portugal, Angola e outros países. Uma das mais alucinantes (e interativas!) foi a exposição sobre Guimarães Rosa. O salão abrigou também exposições sobre Fernando Pessoa, Machado de Assis, Cora Coralina e outros gênios.

Dicas: o melhor dia para conhecer o Museu da Língua Portuguesa é o sábado, quando a entrada é gratuita. Aproveite para conhecer a vizinha Pinacoteca do Estado de São Paulo e dar algumas voltas no belíssimo Parque da Luz. E já que o museu está localizado na Estação da Luz, não esqueça de fotografar (e admirar) a arquitetura do prédio.

Endereço: Praça da Luz, s/nº - Luz – São Paulo – Tel. (11) 3326-0775

Site: http://www.museudalinguaportuguesa.org.br/

11 de mar de 2011

SUGESTÃO DE PASSEIO: MUSEU DO IPIRANGA


Fundado em 1805, o Museu do Ipiranga é uma das mais importantes instituições museológicas da cidade de São Paulo. Também conhecido como Museu Paulista, o museu do Ipiranga é parte de um conjunto paisagístico, histórico e de lazer que inclui a Casa do Grito e o Monumento do Ipiranga, além de um parque.
O acervo com 125 mil peças conta o cotidiano da velha cidade de São Paulo e enaltece os principais personagens do desbravamento do interior do Brasil (os bandeirantes) e os heróis da indepedência (figuras como D. Pedro I e José Bonifácio). O mesmo acervo ajuda na compreensão de alguns dos principais fatos e momentos da história brasileira, como o fim da escravidão, a chegada maciça de imigrantes europeus e o ciclo do café.
O visitante pode conhecer e apreciar quadros, medalhas, moedas, jóias, documentos, instrumentos de trabalho e móveis do período colonial, do Império e do início da República.
Além da exposição permanente, o Museu do Ipiranga abriga exposições temporárias sobre assuntos relativos aos costumes e à história do Brasil. Tudo isso sem contar o lindo jardim de inspiração e o belo edifício do início do século XX. É o lugar ideal para levar os amigos de outras cidades e para fotografar. Embora as fotos sejam proibidas no interior do museu, o turista pode fotografar à vontade no lado de fora.

Dicas: visite o parque atrás do museu, fotografe o monumento e dê uma esticada no Museu de Zoologia. Localizado na avenida Nazaré, 481. Se estiver de carro (e disposto!!), visite também o Aquário de São Paulo, na rua Huet Bacelar, 407, também no Ipiranga.

Endereço: Parque da Independência, s/nº - Ipiranga – SP - Tel. (11) 2065-8000

Site: http://www.mp.usp.br/index.html

2 de mar de 2011

SUGESTÃO DE PASSEIO: ESTÁDIO DO MORUMBI


Sede do São Paulo F.C, um dos maiores times brasileiros, o Estádio do Morumbi não só recebeu jogos da seleção brasileira, como continua sendo palco de decisões importantes do campeonato estadual e brasileiro.
Região muito valorizada na Zona Sul de São Paulo, por causa de seus atrativos noturnos e em virtude da proximidade do estádio, o Morumbi abrigou o clube e cresceu junto com seus gols e conquistas.
O estádio Cícero Pompeu de Toledo (nome de um ex jogador, dirigente e presidente do São Paulo), mais conhecido como Morumbi, teve sua partida de estréia no ano de 1960 com o jogo entre São Paulo e Sporting Lisboa, em que o time da casa venceu por 1 a 0. Ainda faltava muito para que a construção acabasse e os 120 mil lugares do estádio estivessem concluídos para os aficcionados do futebol.
Foi só no dia 25 de Janeiro de 1970 que o público - estimado em mais de 100 mil pessoas - pôde desfrutar do mais novo (e concluído) estádio do Morumbi, com o jogo empatado entre Brasil e Porto de Portugal, com um gol para cada equipe. Com a presença do governador paulista, prefeito e presidente da república, o Morumbi se colocava entre os 5 maiores estádios de futebol do país – ótimo para a cidade, para o clube e para os moradores e proprietários de imóveis da região, que viram suas propriedades serem valorizadas e seus negócios obterem êxito.
O Morumbi conta com uma das melhores sedes sociais do país, proporcionando um amplo espaço de lazer, entretenimento e cultura para a população. Biblioteca, jornais e revistas estão ao acesso do paulista ou visitante que passa pelo complexo social do clube.
Outro projeto que chama bastante atenção, são os projetos do Morumbi Concept Hall – que conta com o Santo Paulo Bar, um memorial com as glórias do clube, uma livraria e o Espaço Únyco – espaço destinada para shows, camarotes exclusivos e comemorações VIP´s.
Você que ainda não conhece o Estádio do Morumbi, não perca a oportunidade. Aproveite também, e navegue pelo portal imobiliário de maior crescimento no Brasil, o VivaReal e veja oportunidades para aluguel e venda de imóveis no Morumbi (http://www.vivareal.com.br/venda/sp/sao-paulo/zona-sul/morumbi/),
e na região da Zona Sul de São Paulo.

4 de fev de 2011

SUGESTÃO DE PASSEIO: MASP


Você sabe o que a antiga TV Tupi e a extinta revista O Cruzeiro tem em comum com o Museu de Arte de São Paulo? Os três foram tocados pelo magnata Assis Chateaubriand.
Na verdade, Chateaubriand teve a idéia de criar o MASP com o crítico de arte e jornalista italiano Pietro Maria Bardi.
O MASP foi inaugurado em 1947 pelo governardor de São Paulo Ademar de Barros. Seu antigo endereço era na rua 7 de Abril, no Centro. Em 1968, o museu mudou de endereço, passando a ocupar o prédio da Avenida Paulista projetado pela arquiteta Lina Bo Bardi, esposa de Pietro.
Dizer que o MASP é o mais importante museu de arte do Brasil é pouco. Ele é o maior museu especializado em arte da América Latina.
O acervo do MASP é imenso, abrangendo obras do pré-Renascimento aos dias atuais. Entre os artistas com obras no MASP estão Bellini, Ticiano, Rafael, Goya, Veronese, El Greco, Van Dyck, John Constable, Diego Rivera, entre outros. Dos artistas brasileiros, o MASP possui em seu acervo pinturas de Cândido Portinari, Anita Malfatti e Victor Brecheret, só para citar três gênios.
Além de seu acervo fixo, o MASP realiza exposições temporárias sobre os mais diversos temas ligados ao conhecimento e à arte. Tesouros do Japão, movimento impressionista, arte de rua, Darwin e a evolução foram temática de alguns das exposições de sucesso no museu.

Dicas: o melhor dia para visitar o MASP é o domingo. Além de conhecer o museu, você pode garimpar raridades na feira de artes e antiguidades que acontece sempre aos domingos. Localizado em frente ao MASP, o Parque Trianon abriga uma feira de artes e artesanato imperdível. Se puder, vá ao Center 3 conhecer outra feirinha, a Como Assim? e aproveite para tomar um delicioso sorvete ou fazer uma bela refeição na imensa praça do shopping. O MASP e a avenida Paulista não merecem apenas uma, mas várias visitas.

Endereço: Avenida Paulista, 1578 - São Paulo – SP – Tel. (11) 3251-5644

Site: http://masp.art.br/masp2010/index.php

26 de jan de 2011

SUGESTÃO DE PASSEIO: BIBLIOTECA MÁRIO DE ANDRADE


Fundada em 1925, a Biblioteca Mário de Andrade é a segunda maior do Brasil, perdendo apenas para a carioca Biblioteca Nacional. Foi inaugurada em 1926, na rua 7 de Abril tendo como único acerto as obras doadas pela Câmara Municipal de São Paulo.
O aumento do seu acervo fez com que a biblioteca mudasse para a Rua da Consolação, onde permanece até hoje. Recebeu o nome Mário de Andrade em 1960, em homenagem ao ex-chefe do Departamento de Cultura e Recreação de São Paulo e também escritor, poeta e músico.
O edifício foi projetado pelo francês Jacques Pilon e foi aberto ao público em 1943. O estilo é totalmente art déco, muito popular na época da sua construção. Possui 23 andares, sendo 22 para guardar apenas o acervo.
O acervo da biblioteca é vasto. São 320 mil volumes entre obras raras, mapas, livros de arte e acervo da biblioteca circulante.
Os livros da biblioteca circulante estão disponíveis para empréstimo. Basta fazer o cadastro para levar uma das 42 mil obras à disposição.
Cercada pelo verde da Praça Dom José Gaspar, a Mário de Andrade é um oásis no movimentado e frenético Centro de São Paulo. Os visitantes podem ler os jornais do dia e folhear o imenso acervo de revistas em circulação nas bancas de jornais do país.
Para os pesquisadores (e mesmo os curiosos), a biblioteca dispõe de um interessante acervo 51 mil itens especiais, inclusive livros. Para ter acesso a eles, é preciso fazer um cadastro e explicar por quê quer consultá-los. O acervo de jornais e revistas antigos também é interessante. O visitante pode folhear exemplares de revistas antigas como O Cruzeiro, Revista da Semana, Manchete e Fatos e Fotos, entre outras.

Dica: quando puder, visite também o Centro Cultural São Paulo, na rua Vergueiro. Além do imenso acervo de livros, você poderá contar com uma programação cultural extensa e quase toda gratuita.

Endereço: Rua da Consolação, 94 – Telefone: 3256-5270

Site: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura/bma/

11 de jan de 2011

SUGESTÃO DE PASSEIO: EDIFÍCIO MARTINELLI


Localizado entre a São Bento, Líbero Badaró e São João, o edifício Martinelli foi o primeiro arranha-céu de São Paulo. Foi projetado pelo imigrante italiano Giuseppe Martinelli. Possui 30 pavimentos e é ainda hoje um dos prédios mais altos do Centro Velho.
O Martinelli foi inaugurado em 1929, às vésperas da Revolução de 30. Ainda na época de sua construção, causava admiração e espanto pela sua altura na população paulistana e nos turistas que visitavam a cidade. Abrigou o Hotel São Bento e o Cine Rosário, um dos mais luxuosos da sua época. Foi sede de partidos políticos, clubes de futebol e empresas até começar a entrar em declínio entre as décadas de 60 e 70. A restauração ocorreu no final dos anos 70, sendo reinaugurado em 1979.
O curioso é que a casa do comendador Martinelli foi construída no topo do edifício – dizem que para provar que era seguro morar naquela altura.
Atualmente, o Martinelli abriga a Secretaria de Habitação da Prefeitura de São Paulo e o Sindicato dos Bancários, além de várias instituições e empresas.
Pouca gente sabe, mas é possível participar de visitas guiadas ao topo, de onde se tem uma magnífica vista da cidade. Vale a pena, principalmente para quem gosta de conhecer melhor o Centro e para quem aprecia fotografia. Não deixe de levar a câmera.
Para agendar uma visita, basta ligar ou entrar em contato pela internet.

Dica: ao visitar o Martinelli, aproveite para conhecer o edifício Altino Arantes, de onde é possível ter outra vista de tirar o fôlego da cidade. Se estiver com disposição para bater perna, aproveite para conhecer também a Bovespa e a igreja do Largo de São Bento.

Serviço: (11) 3104-2477 – E-mail: condmart@terra.com.br