27 de ago de 2010

SÃO PAULO, ALÉM DOS CARTÕES-POSTAIS


A avenida Paulista e a Liberdade são invadidas por hordas de turistas nos finais de semana. Em algumas ocasiões, é impossível circular na avenida Galvão Bueno, Liberdade, sem esbarrar em alguém. O próprio Vem Ver Sampa recomendou a Paulista e a Liberdade diversas vezes. Outros locais onde turistas parecem formigas em cima de doce são o Mercado da Cantareira (o nosso Mercado Municipal), a rua 25 de Março, o Pátio do Colégio, Estação da Luz e Instituto Butantã. Aliás, o Butantã é um dos pontos prediletos dos gringos.
O fato é que existe uma São Paulo que poucos turistas conhecem, uma cidade onde aglomerações de câmeras e de gente posando para foto são quase inexistentes. E o interessante é que são locais que encarnam/representam muito bem a rotina e o espírito da cidade. Quer realmente conhecer São Paulo? Experimente passear pelos locais citados abaixo:

MEMORIAL DA AMÉRICA LATINA – Com projeto de Oscar Niemeyer e construído com o objetivo de ser um dos principais cartões-postais da cidade, o Memorial vive vazio. São poucos os visitantes que por lá circulam. É uma pena, pois o Memorial abriga um rico patrimônio arquitetônico e um imperdível centro cultural. Experimente conhecer o Pavilhão da Criatividade e seu acervo permanente de indumentárias, esculturas e objetos de uso cotidiano dos povos latino-americanos. A biblioteca do Memorial também merece uma visita. O que o torna ainda mais interessante é sua localização, a poucos metros do Parque da Água Branca, que nos finais de semana abriga uma feira de produtos naturais, e dos shoppings West Plaza e Bourbon. O programa é para o dia todo. O Memorial fica ao lado do terminal Barra Funda no bairro de mesmo nome.

CEASA – Localizado no bairro da Lapa, o Ceasa/Ceagesp é o maior entreposto da América Latina. É realmente imenso. São 44 ruas e 45 pavilhões de legumes, verduras, frutas, flores e carnes. Funciona praticamente 24 horas por dia, sete dias por semana. Esqueça o vai-e-vém dos carregadores e o blá-blá-blá de vendedores e compradores. Concentre-se nos aromas e na incrível diversidade de cores do Ceasa. A variedade (e quantidade) de frutas é de cair o queixo. Os varejões de quarta, sábado e domingo são uma boa opção de passeio e compras. Mas nada como a feira de flores, a maior do gênero no país, que acontece às terças e sexta-feiras no período da manhã. É impressionante. Chama atenção até dos turistas holandeses. Dá vontade de levar um vaso para casa, ainda que ela esteja no interior do Piauí. O melhor é agendar uma visita. Entre aqui e saiba como.

CIDADE UNIVERSITÁRIA/USP – Imagine um local com museus, monumentos, bibliotecas e ainda cercado de verde. Pois imaginou a Cidade Universitária da USP, no bairro do Butantã. Existem museus como o da educação e do brinquedo, arqueologia, de arte contemporânea e até do crime. Um dos mais interessantes é o Museu de Arte Contemporânea – MAC, próximo a Praça do Relógio (tel. 3091-3039). Outra instituição interessante é o Paço das Artes, na Avenida da Universidade (tel. 3814-4832). Com rico acervo de arte moderna e contemporânea o Paço abriga exposições temporárias e eventos. Vale a pena fazer uma visita. Tanto o Paço das Artes quanto o MAC fecham nas segundas-feiras.

PARQUE E PICO DO JARAGUÁ – Apesar de um pouco distante do Centro, o acesso é fácil. O maior atrativo do Parque do Jaraguá é o pico, que leva o mesmo nome do Parque. Situado a mais de mil metros do nível do mar, o Pico do Jaraguá pode ser visto de quase toda a cidade. Lá de cima, nos dias claros (e sem poluição), dá para avistar até a Serra do Mar, no outro extremo da cidade. O parque possui uma infra-estrutura boa, com áreas de lazer, banheiros e churrasqueiras. Quem estiver a fim de uma boa caminhada, pode subir o pico a pé. A trilha é estreita, percorre trechos de mata fechada, mas é atraente. Com um pouco de sorte, pode-se cruzar com animais silvestres como macacos-prego e saguis. Se o visitante não quiser caminhar, dá para subir por uma estrada asfaltada. Vista lá de cima, São Paulo é deslumbrante. Não deixe de levar a camera. Comida não é problema. Pode-se comprar lanches, salgadinhos, sorvetes e refrigerantes, mas eu recomendo a comida de casa mesmo. O único senão é o domingo, quando o parque fica absurdamente cheio.

PARQUE DA CANTAREIRA E HORTO FLORESTAL – Imagine um parque com quiosques, áreas de lazer, lagos,até feira de livro infantil e até animais soltos como capivaras e macacos. Assim é o Horto Florestal, na Zona Norte da Cidade. O lago é muito bonito e a mata exuberante. Quando for ao Horto, não esqueça da camera fotográfica. Nada melhor do que fotografá-lo num dia de sol. Outra vantagem do Horto é sua localização, ao lado do Parque Estadual da Serra da Cantareira. O turista mal sai de um e já está em outro. O Parque da Cantareira possui trilhas que levam a um lago com carpas (por pouco, os peixes vem comer na sua mão) e a chamada Pedra Grande, de onde se descortina uma hipnotizante visão da cidade. Para chegar à Pedra Grande é necessário paciência e fólego. A caminhada é longa, exige bom preparo físico. Outra coisa importante: lanche. Não deixe de levar algo para comer e beber, pois são horas de caminhada. Ao contrário do que muita gente pensa, as trilhas são asfaltadas e com bancos para descanso. O passeio é inesquecível e a vista de São Paulo é maravilhosa.

PARQUE DO ESTADO – Também chamado de Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, é lá que nasce o riacho que dá nome ao bairro vizinho e ao monumento em homenagem à Independência. A região do Parque do Estado é de fácil acesso pela rodovia dos Imigrantes e pelo metrô, que possui linhas de ônibus que passam em frente. Ela abriga o zoológico, jardim botânico e o Zôo Safári – antigo Simba Safari. Para conhecer cada uma dessas atrações é necessário um dia inteiro. O zoológico é um dos maiores do mundo. O jardim botânico, com seus lagos e estufas, dão a impressão de que estamos em outros mundo, não em São Paulo. No Zôo Safári, os visitantes podem circular entre animais soltos com a ajuda de um guia. Com exceção de alguns animais como os felinos, o contato é direto. O passeio tem duração de mais ou menos uma hora. Ideal para quem quer levar criaças. Todas as atrações possuem lugar para comer.

MEMORIAL DO IMIGRANTE – Situado numa região mais afastada do Centro (mais precisamente no bairro da Moóca), o Memorial do Imigrante foi fundado no prédio onde funcionava a antiga Hospedaria dos Imigrantes, construída entre 1886 e 1888. Era para lá que os imigrantes (portugueses, espanhóis, italianos, árabes, japoneses, armênios e outros) se dirigiam antes de seguir viagem -boa parte para as fazendas de café do interior. No seu acervo estão roupas típicas, instrumentos de trabalho, mobiliários e fotografias dos milhares de imigrantes que entraram no Estado de São Paulo. Quem quiser, pode fazer um passeio de Maria Fumaça. Só por curiosidade: o museu abriga uma pequena plantação de café. O telefone do Memorial é 2692-1866.

PARANAPIACABA – O Festival de Inverno de Paranapiacaba atrai todos os anos milhares de turistas para essa vila de Santo André. O Festival ocorre sempre nos meses de julho, quando a neblina e a garoa são constantes. Mas não é preciso esperar julho chegar para curtir Paranapiacaba. A vila oferece atrações o ano todo. Uma das mais procuradas atrações é justamente a área verde que fica ao lado. As trilhas levam a cachoeiras, montanhas e grandes e selvagens trechos de Mata Atlântica. As caminhadas levam, no mínimo, duas horas. Elas só podem ser feitas com guias locais. Não deixe de levar protetor solar e repelente de insetos, eles são muito úteis. Não esqueça também da câmera fotográfica. No mês de abril é realizado o delicioso Festival do Cambuci. Construída por operários ingleses, a vila é um charme. Para chegar, basta pegar o trem até Rio Grande da Serra e embarcar no ônibus para Paranapiacaba. Ela merece ser fotografada. Por falar nisso, você conhece a Estrada Velha de Santos? Mais informações, acesse aqui.

EDIFÍCIO MARTINELLI – O Martinelli é conhecido como o primeiro arranha-céu de São Paulo. Depois de dois anos de reforma, voltou a ser aberto ao público. As visitas devem ser agendadas (tel. 3104-247). Ao contrário do Altino Arantes (ex-Banespa), onde as filas nunca terminam e o acesso é por tempo curtíssimo, o Martinelli oferece visitas guiadas e longas (de até 20 minutos). Uma das maiores vantagens é a sua localização, no Centro Velho. Após apreciar a vista da cidade e a arquitetura do prédio, estique o passeio no Largo de São Bento, Viaduto do Chá, Praça da Sé, Pátio do Colégio…

Um comentário:

  1. Quer levar uma lembrança ou souvenir de São Paulo para casa? Então, visite a loja virtual Souvenires de São Paulo:

    http://www.lojamais.com.br/loja/emp_bodyhome.aspx?codEmp=7115

    ResponderExcluir