26 de jun de 2009

CURIOSIDADES E INFORMAÇÕES INCOMUNS SOBRE A CIDADE DE SÃO PAULO


Localizado no na região Central de São Paulo, o Mosteiro de São Bento é um dos mais importantes conjuntos arquitetônicos da cidade. Os monges beneditinos chegaram a São Paulo em 1598, mas o conjunto atual, ao qual pertencem a Basílica de Nossa Senhora da Assunção, a Faculdade de Filosofia e o Colégio de São Bento só foi inaugurado em 1914. A seguir, mais algumas curiosidades sobre as datas de inauguração de alguns dos principais pontos turísticos da cidade de São Paulo.

O Pátio do Colégio, nos moldes atuais, começou a ser construído em 1954, sendo inaugurado apenas em 1979.

A catedral da Sé começou a ser construída em 1913, foi inaugurada em 1954 e concluída em 1970. Diariamente, de 3 a 4 mil fiéis passam pela Catedral. A capacidade máxima é de 5 mil pessoas.

A Rua São Bento, juntamente com as ruas XV de Novembro e Direita, compunha o tradicional triângulo que deu origem ao núcleo urbano de São Paulo. Antes de se chamar São Bento, esta rua teve o nome de Martim Afonso e era um dos pontos residenciais mais importantes no século XVII. Nela morou Amador Bueno, provedor da Capitania, proclamado rei dos paulistas.

O Teatro São Pedro, na Barra Funda, é o segundo mais antigo da cidade. Inaugurado em 1917, tem vitrais da França, lustres de cristal tcheco e veludo inglês nas cortinas.

As obras do Teatro Municipal foram iniciadas em 1903 e terminadas em 1911. Uma década depois, o Municipal abrigaria a Semana de Arte Moderna de 1922, evento que marcaria para sempre a cultura brasileira. As personalidades que passaram pelos seus palcos foram: Enrico Caruso, Vivien Leigh, Heitor Villa-Lobos, Maria Callas, Rudolf Nureyev, Mikhail Baryshnikov e Márcia Haydée.

O edifício Altino Arantes (também conhecido como Edifício do Banespa) é o 3º prédio mais alto da cidade e o 4º do Brasil, prestes a se tornar respectivamente o 4º e 5º no fim de 2010. Sua construção começou em 1939, mas teve o projeto inicial alterado para se parecer com o Empire State Building, de Nova York. Ele foi, durante uma década, o mais alto da cidade, sendo superado pelo Mirante do Vale, inaugurado em 1960.

O Viaduto do Chá foi inaugurado em 1892, sendo o primeiro viaduto de São Paulo. Com o passar do tempo, o movimento na região central da cidade aumentou, obrigando as autoridades a demolirem o antigo viaduto e construír um novo e mais resistente em seu lugar. O viaduto atual foi inaugurado em 1938.

Até 1822, o Vale do Anhangabaú era uma fazenda de chá que margeava o antigo córrego Anhangabaú. Com a idealização do Viaduto do Chá, as chácaras foram desapropriadas e a área urbanizada. O ajardinamento do Anhangabaú começou em 1910. O atual modelo do vale surgiu na década de 1980 através de um projeto da prefeitura que visava a recuperação do local.

O Parque do Ibirapuera foi inaugurado em 21 de agosto de 1954 como parte das comemorações do quarto centenário da cidade de São Paulo. O projeto paisagístico é de autoria de Roberto Burle Marx e o arquitetônico, de Oscar Niemeyer.

19 de jun de 2009

14 MOTIVOS PARA VISITAR AGORA A GALERIA DO ROCK

Nas próximas linhas, você descobrirará 13 motivos para conhecer o shopping Grandes Galerias, conhecido também como Galeria do Rock.
Situada entre a rua 24 de Maio e avenida São João (em frente ao Lardo do Paiçandu), a Grandes Galerias foi inaugurada em 1963. Possui mais de 400 estabelecimentos, sendo 200 dedicados exclusivamente ao rock. No subsolo funcionam lojas para adeptos do Hip Hop e no térreo, para skatistas. As lojas frequentadas por roqueiros ficam entre o primeiro e terceiro andar. No quarto andar funcionam estamparias e lojas de brindes e silk-screem.
Dizem que a fama de galeria do rock começou com a inauguração da lojas de discos Baratos Afins, no anos 70. O número de lojas cresceu e a galeria viveu um apogeu nos anos 80 para decair na década seguinte. Recuperada, ela passa por um dos seus melhores momentos. O fluxo de frequentadores e turistas é grande, o que faz dela uma das galerias mais movimentadas de São Paulo.
Os motivos para conhecê-la são os seguintes:



A Grandes Galerias é e foi sede de diversos fã-clubes, como os de Raul Seixas, Sepultura e Beatles.

Costuma ser frequentada por roqueiros anônimos e famosos. Anônimos passam por lá todos os dias e famosos, de vez em quando. Mas, com sorte, você pode cruzar com o músico de uma grande banda! Só para se ter uma idéia, Bruce Dickinson (vocalista do Iron Maiden), Kurt Cobain (ele, mesmo!!), Sepultura e Dream Teather já passaram por lá.

É um dos melhores lugares para encontrar raridades e importados. Sabe o CD daquela banda da hora que dificilmente pinta nas lojas “populares” ou mesmo em sites de downloads? As chances de encontrá-lo na Galeria do Rock são enormes. E sabe aquela banda da qual ninguém mais ouviu falar? As chances de topar com um CD ou vinil dela também são grandes.

De vez em quando, a Grandes Galerias promove apresentações gratuitas de bandas. Um dos últimos grupos a dar as caras por lá foi o psicodélico Violeta de Outono. A data predileta para apresentações é 13 de julho, Dia Mundial do Rock.



Do skatista ao fã de hip-hop, do metaleiro (ou headbanger) ao gótico, do punk ao emo, do jovem com pinta de rebelde ao adulto de jeito conservador, todas as tribos se reúnem lá. A Galeria do Rock é um dos melhores lugares para ver gente exótica, moderna e interessante. E o que é legal: em clima de respeito e confraternização.

É um lugar excelente para quem quer ficar ligado na moda alternativa. As galerias da Augusta (como a Ouro Fino) e os points gays da Consolação são os melhores lugares para quem quer ficar por dentro das novidades da moda, certo? Certo, tudo bem. Mas a Galeria do Rock não fica atrás. Ela respira moda. Seja na vitrines ou no visual dos habitués, o risco de topar com novos estilos e tendências são sempre grandes.

Por falar em tendências, a Galeria é indicada para quem curte o gótico, o street wear e o visual até certo ponto desleichado dos headbangers (ou metaleiros, como quiser), embora também o seja para quem curte moda feminina. Várias lojas oferecem saias, vestidos, botas e acessórios como cintos em estilos alternativos e modernos.

Tênis. Se você é louco ou louca por tênis, observe as vitrines da galeria. Há uma enorme diversidade de opções. Se bobear dá para encontrar um com o mascote do Iron Maiden (eu encontrei!!) ou logo da sua banda preferida. Boa parte dos tênis são do estilo “All Star”. O problema são as falsificações, algumas vezes grosseiras.



Se o seu gosto é por “tattoos”, a galeria é o lugar certo. Além de estúdios de tatuagem, algumas lojas vendem acessórios para tatuadores.

É excelente para adqurir miniaturas e “toy-art”. Na verdade, são poucas as lojas que oferecem toy-art. Mas se somarmos as que vendem miniaturas (inclusive em resina) de personagens de filmes, seriados e desenhos animados e as que vendem chaveiros, o número se multiplica por dez.

Camisetas, camisetas, camisetas. Nove de cada lojas vendem camisetas de rock. São camisetas das diversas bandas: Metallica, Guns’n’Roses, Accept, Manowar, AC/DC e qual mais você imaginar.

Agora, se você não encontrou a camiseta da sua banda predileta, a solução é encomendar uma. As lojas de silk-screem e brindes do quarto andar produzem camisetas sob encomenda. Basta fazer a arte (em boa resolução, é claro!!) e enviar para os caras que, em pouco tempo, você estará com uma exclusiva em mãos. E o que é melhor: por um preço acessível.

A vizinhança é imperdível. Dá para adquirir instrumentos musicais (Largo Santa Efigênia), parafernálias para shows (rua Santa Efigênia) e câmeras de vídeo e fotos (rua Conselheiro Crispiniano) a poucos metros da Galeria. A Grandes Galerias é também vizinha da Praça da República, Viaduto do Chá, Teatro Municipal e Largo São Bento.

5 de jun de 2009

7 MOTIVOS PARA CAMINHAR NA AVENIDA IPIRANGA

Algumas coisas acontecem em meu coração quando eu cruzo a Ipiranga com a avenida São João. Também acontecem quando cruzo a Ipiranga com a 24 de Maio, a Ipiranga com a Barão de Itapetininga, Ipiranga com São Luis, Ipiranga com Consolação… Acontecem coisas estranhas o tempo inteiro. Basta estar na avenida Ipiranga para o coração bater forte.
Certa vez, orientei um casal de turistas de Recife que queria a todo custo conhecer a esquina da Ipiranga com a São João, imortalizada na canção de Caetano Veloso. Eu, que perambulo por São Paulo desde que me conheço como gente, estranhei, pois não vejo nada de extraordinário no pedaço. A não ser o bar Brahma, que agora ganhou um irmão chamado Esquina da MPB! Mas, se a esquina “caetanesca” não tem muitos atrativos, a Ipiranga tem! Alguns são conhecidos em todo o país e outras, nem tanto. Se quiser perambular na Ipiranga, veja a lista do que vale a pena visitar.



PRAÇA DA REPÚBLICA: A República tem um pequeno problema (ou grande, dependendo do ponto de vista): os tapumes e máquinas da empresa responsável pela construção da linha amarela do metrô. Fora isso, a praça é quase um paraíso. O melhor dia para visitas ainda é o domingo, quando ocorre a feira de artes e artesanato local. Quando visitar a República, dê um pulo na rua Marquês de Itú (ao lado da praça) e acompanhe o movimento de compra e venda de matérias-primas para arte. O vai-e-vém de artista, compradores e curiosos é grande.

EDIFÍCIO COPAN: Marco arquitetônico da cidade de São Paulo, o Copan foi projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer na década de 1950. Sua geometria sinuosa chama a atenção à distância. Nele, moram mais pessoas que em 457 municípios brasileiros. No térreo, funcionam 72 lojas, bares, restaurantes e até uma igreja evangélica. Um dos restaurantes mais conhecidos é o Varanda Copan, localizado no térreo do edifício. Para subir, só sendo amigos dos moradores ou com horário marcado, sempre no período da manhã (experimente marcar pelo telefone 3259-5917 – falar com Charles).



CINE MARABÁ: Depois de quase dois anos fechado para reformas, o Marabá foi reaberto no final de maio de 2009. O antigo cinema do centro abriga agora cinco salas, todas novinhas em folha. O conforto e a infra-estrutura são de cinema de shopping. O legal é que existem lanchonetes (McDonald’s, Habi’s), bares (Brahma Bar) e restaurantes (Terraço Itália e Sujinho) nas proximidades – uma boa pedida para um lanche, cerveja ou refeição a dois depois da telona.

SUJINHO: O Sujinho da Ipiranga é uma das três filiais do restaurante e bar surgido na rua da Consolação. Oferece os mesmos pratos e o mesmo serviço, com destaque para a (enooorme) enorme bisteca com repolho. São 700 gramas de carne "transbordando" no prato. Cardápio e serviço são simples, aquém do menu do Bar Brahma e, principalmente, do Terraço Itália. Não dá para comparar! Mas são de qualidade. O bar é frequentado por todo tipo de gente, de turistas a trabalhadores da região. Sempre aparece gente descolada. Vale a pena visitá-lo.

TERRAÇO ITÁLIA: Localizado no edifício Itália, na esquina da Ipiranga com a São Luís, o Terraço Itália é um dos mais tradicionais restaurantes de São Paulo. Se não estiver a fim de uma refeição, experimente o piano-bar. Você pode até tentar visitar o local durante o dia (ele é aberto ao público das 16h00 às 17h00), mas bacana mesmo é ir a noite. De lá pode-se ter uma vista deslumbrante da cidade. Ideal para levar o amigo gringo, comemorar aniversário de casamento e pedir a mão de alguém. Mas, atenção, visitas fora do horário pré-determinado e sem usufruto do bar ou do restaurante são pagas.



BAR BRAHMA: É o mais famoso bar e restaurante de São Paulo localizado na mais famosa esquina do Brasil, ganhou um irmão chamado Esquina da MPB. No almoço, o Brahma oferece feijoada de sábado e buffet com pratos quentes e saladas durante a semana. Mas bom mesmo é ir à noite, principalmente aos sábados. O local sempre está cheio, com gente de toda a cidade e todos os cantos do Brasil. Até os gringos gostam de lá. Uma das melhores coisas do Bar Brahma são os shows de artistas consagrados como Ângela Maria, Cauby Peixoto, Demônios da Garoa e Elza Soares. Só uma advertência: se você não gosta de locais movimentados e, digamos, um tanto barulhentos, apareça durante a semana, quando o Brahma é mais tranquilo. Duas advertências: quanto mais famoso o artista, maior o couvert.

GALERIA DO ROCK E OUTRAS VIZINHANÇAS ATRAENTES (dessa vez, para quem gosta realmente de bater perna): há várias atrações interessantes nas proximidades da Ipiranga, entre elas a Galeria do Rock (na rua 24 de Maio), rua Santa Ifigênia (paraíso dos eletrônicos), Largo do Arouche (no final da avenida Vieira de Carvalho) e Praça Roosevelt (final da Ipiranga, quando ela chega na Consolação). Se estiver por lá à noite, esqueça a Santa Ifigênia (que fica às moscas) e experimente uma sessão de teatro na Roosevelt.